Postagem em destaque

Índice de Textos

- Contos Livro dos Unicórnios: A Criação A verdade sobre os suicídios na UERJ Senhor Bologogofos e as Colegiais Japonesas Nunca apost...

quarta-feira, outubro 17, 2018

Mantenha a calma, não há rinocerontes neste livro! (2017)

(200 págs. com 34 contos: Livro dos Unicórnios: A Criação; Estefânio depois da vagina; A verdade sobre os suicídios na UERJ; Do amor, da Morte; Uma história de três menininhas na Lapa; Cabeça de Baratas; Procurado No-El; Ô Floris, Florisbela; As três irmãs; Longa jornada estrada afora; Welcume à Yěshēng yīndào; O baile da menina triste; Admirável mundo velho; O julgamento; Lobo Mau; Novela mexicana; Ônibus vermelho de Marte; Ex-cadas de degraus; Deutschland Dancefloor Klub; Livro dos Unicórnios: do homem e da mulher; Naquele degrau, pisei nas costelas; Ninho da guerra; Cabaret Extraordinaire; Gigi Stradivarius contra o Salmonela; Nova Zelândia; Ela matou…; João e Maria; O traficante de Zô; Um homem chamado Jacó; Nunca aposte sua cabeça com a turca; O religioso; Tornei-me Shiva, destruidor de mundos; We’ll meet again some sunny day; Um dia ordinário na vida de Serginho Calabresa)
R$- Impresso no Clube dos Autores
R$5,00 E-book na Amazon Kindle 



Prefácio

“Que cretino! Que grande cretino! Que imenso cretino!” é tudo que sempre tive a dizer sobre o autor deste livro. Porém devo admitir que pela primeira vez em sua vida, ele disse uma verdade: não há rinocerontes neste livro; e que por isso deve ser parabenizado, por ter finalmente alcançado essa grande façanha. Então, não se preocupe, não encontrarás um sequer rinoceronte lendo esses textos.

Mas vamos falar do que realmente interessa aqui, as suas mentiras, as suas imensas mentiras, pois este livro se vende como um livro de contos, e isso é uma absoluta mentira, pois tenho provas que parte dos textos aqui presentes não são ficções, mas histórias verídicas. E se escrevo este prefácio é para por fim expor esse escritor como a fraude que é, e denunciá-lo as autoridades responsáveis.

Comecemos pelos dois extratos do Livro dos Unicórnios encontrados nesta coletânea. Como alguém pode ousar assumir autoria de dois textos obviamente escritos sobre inspiração divina. Pelo que me contaram os mais próximos a ele. O autor estava dormindo uma noite em sua casa de campo, quando foi de repente acordado por cascos a bater em sua janela. Boom, boom, boom. Violentamente, a janela se arrebentou. Por ela, então, veio voando, rodeado de uma luz ofuscante, combinação entre verde limão e rosa shock, com raios púrpuras, um grande jumento com chifre de unicórnio. E esse jumento, olhou seriamente para o autor e lhe disse com uma voz grossa: “Ó..., mero produto dos pelos pubianos do sagrado, levante-se e escute bem, tu foste escolhido para revelar a verdade aos homens, cavalos, jumentos e, principalmente, as capivaras. Um daqueles que estava lá no início de tudo, a adorar a grande e magnífica batata, e que mesmo enfrentando os maiores infortúnios, mesmo enfrentando o esquecimento perante suas próprias criações, manteve-se entre nós, vigilante, decidiu que chegou o momento da verdadeira história do mundo ser revelada. A partir do próximo subir da lua, visitar-te-ei a cada noite que for necessária. Tu me presentearás com um saco das melhores cenouras, e após dar-me uma por uma para comer, a ti será revelada toda a história da existência!”. E foi isso, a ele foi dado todo um livro, não só um livro, mas um livro que se algum dia ele finalmente colocar todo no papel, será o mais importante já publicado na história da humanidade. Porém, como é um cretino, que prefere perder tempo escrevendo histórias de amores perdidos, que revelações dividas, o que temos neste livro só são esses dois extratos, meros resumos, de partes da melhor história a ser publicada. Que cretino!

Mas não para aí, não, vejam o relato sobre os suicídios naquela famigerada universidade do Rio de Janeiro, nem é dele realmente, mas tirado do caderno de um defunto que realmente sentiu os horrores daquele lugar na pele. E esse doente agora tenta empurrar aquele relato como se fosse um conto, tentando lucrar com a morte de seu amigo, como também das dezenas, talvez centenas de pessoas que se jogam daquele prédio todo ano. Há vários “contos” assim neste livro, baseado em histórias reais, ou seja, simplesmente resumindo o que realmente aconteceu, como o com o famigerado terrorista No-el, executado recentemente, ou a fabulosa Gigi Stradivarius (Como alguém pode resumir Gigi a tão poucos parágrafos? Eu a conheci em minha juventude! Eu a conheci, eu a amei! Só um Oscar Wilde com mil páginas e mil reluzentes diamantes, para poder chegar perto do brilho de Gigi. Ah... que presunção desse autor!). E ele até se atreve a publicar a lista de afazeres diários do governador, como se isso tivesse qualquer importância. Se este não estivesse preso agora, certamente o processaria.

Ah, mas a cretinice não acaba aí, não. Qualquer um que já tenha lido um dos meus artigos sobre ele, sabe que acima de tudo, o considero um pervertido, um demente pervertido, e isso se atesta mais uma vez neste livro. Há todo um grupo de contos que só poderia categorizar como: contos de fada eróticos no Rio de Janeiro; vão de versões bizarras e pervertidas de Alice no País das Maravilhas, o Mágico de Oz e Os Três Porquinhos, a uma da Chapeuzinho Vermelho, relativamente normal - até me impressionou – e um João e Maria que simplesmente não sei o que dizer - é o único não erótico, e isso não é um elogio, realmente não sei o que dizer tendo lido aquilo -. Fora que desses todos, a única fada que aparece é um travesti.

E “eu não sei o que dizer” é um bom resumo de todos os outros contos deste livro. Sinceramente, tive dor de cabeça com metade. Deviam ser baratas discutindo, segundo o autor. Tem algumas histórias de ficção científica, algumas de horror – caso não queira considerar todo o livro um horror -, algumas que para mim parecem mais alucinações que histórias, algumas em que o autor parece estar sendo um bastardo de propósito, só para caçoar de quem chegou até lá lendo, fora as usuais declamações amorosas de menininha de quinze anos abandonada, que como já apontei também em vários de meus artigos, se encontram em toda sua obra – mais uma vez essas são as partes favoritas de minha neta, Penélope, a desbaratinada -.

Agora, sinceramente, minha recomendação a você que está lendo isso é: vá embora! Há certamente muitas melhores coisas a fazer em sua vida. Se quer ler algum livro, procure alguns taoistas, ou zen-budistas, já leu o Tao Te Ching? Se você está aqui, certamente há uma falta de equilíbrio em sua vida. Você não vai encontrar este equilíbrio aqui. Se este livro for provocar algo em você, provavelmente só vá aumentar a sua falta de equilíbrio. E você quer seguir a sua vida assim? Não, é claro que não. Ninguém quer. Então, feche este livro e esqueça que tudo aconteceu.

Salazar “Sal” Mummramad
(Ganhador da estatueta do Oscar de Melhor Ator, 
premiada a Marlon Brando, em 1973)

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário: