O Escritor

Olá, meu nome como você pode ver grande no topo deste site é Daniel Matos - nenhum pouco egotístico, imagina - e eu sou um escritor, cineasta, ator e filósofo, quem sabe também assassino e shaman! Sou um carioca - para quem não sabe isso significa residente do Rio de Janeiro, Brasil (do clube dos que não gostam nem de samba, nem de futebol, e quer atirar em funqueiros), e sou formado em filosofia pela UERJ e cinema pela UFF - duas faculdades provavelmente porque eu não conseguia pensar em nada melhor para fazer no momento e não queria dinheiro. Sou escritor desde quem sabe quando, com clássicos como O Homem e o Leão, e o Monstro do Carro, clássicos tão clássicos que nem eu mesmo sei que fim tiveram. Mas depois escrevi mais e até empurrei para outras pessoas, que para espanto meu gostaram. Em 2008, depois de uns 4 anos de escritas esparsas - quando me dava vontade - , publiquei o livro Um Grito no Vazio para o Nada

Um romance filosófico com um indivíduo no meio do nada passando por diferentes situações a fim de descobrir a si mesmo - não, não é Seinfeld. Já que ninguém mais queria publicar, publiquei pela minha própria mão, ou seja eu aprendi como colar um livro, e tive a disposição de fazer 8 exemplares antes de cansar - cada um demorava 3 horas para ficar pronto, me sentia numa pré-revolução industrial literária. Depois passei a publicar através dessas editoras por demanda, em que a pessoa compra e eles imprimem o livro. Vendi mais alguns desde então, sempre com comentários positivos. E não, não é nenhum Harry Potter, Código Da Vinci ou alguma coisa horrível com vampiros fadas que brilham no sol, logo demanda do meu entusiasmo de fazer publicidade e vender, mas é um livro muito bom, logo vá lá e compre um, ou vários!

Depois disso comecei a me dedicar a escrever mais contos e roteiros. Os roteiros, alguns se materializaram em filmes, como Kafka vai à Floresta e A Pequena Coleção de Hugo Ganz, todos filosóficos e verborrágicos, ou seja, pouco comerciais. Os contos, inicialmente também filosóficos, logo passaram para os mais variados gêneros (comercias), de comédias, a tragédias, a escatológicos. Minha produção tornou-se mais constante ao começar a participar de um clube de leitura (na verdade um clube de escrita) do sebo Baratos da Ribeiros - ter uma data de entrega realmente ajuda na inspiração, e são muitos desses contos que se encontram aqui neste site. Neles espere muito humor negro, sarcasmo e situações surreais.

Fora isso também escrevo analises de filmes, descobrindo coisas que nem os diretores sabiam quem estavam fazendo. Algumas que são publicadas na minha coluna no site De Chaleira. Também coloquei aqui vários trabalhos sobre filosofia. E também há quadrinhos! Tenho dezenas de roteiros para quadrinhos que de vez enquanto consigo alguém para desenhar. 

Sou um grande leitor de Kafka, Dostoyevsky, Henry Miller, Wilde, Huxley, Bukowski, Burroughs, Hesse, e muitos outros grandes nomes da literatura, mas grande parte das minhas influências vêm das histórias em quadrinhos. Basicamente aprendi a ler com os X-Mens do Chris Claremont. Depois avançando para revistas como V de Vingança, Miracleman, Sandman, Mostro do Pantano, Animal Man, Doom Patrol, Os Invisíveis, Transmetropolitan, Preacher, Shade The Changing Man, Akira, Black Incal, Rising Stars, e muitos outros. O que posso dizer, sou a única pessoa que conheço pessoalmente que já leu as 300 edições de Cerebus do Dave Sim, apêndices inclusos (meu deus, se você não sabe o que é faça um google agora). Filmes são minha segunda maior influência - tem uma razão de eu ter acabado numa faculdade de cinema. Orson Welles aparece de vez enquanto em minhas histórias. Só para mencionar, sou um grande fã do Kubrick, Monty Pyton – Terry Jones e Terry Gilliam especialmente - , Jim Henson, Romero, Wong Kar-Wai e Sofia Copola.